Let It Bleed
quarta-feira, 29 de maio de 2013 | Opine aqui

"She said, "My breasts, they will always be open 
Baby, you can rest your weary head right on me 
And there will always be a space in my parking lot 
When you need a little coke and sympathy""
The Rolling Stones

Ah! quisera eu
banhar-me em teu corpo nu
e ao banhar-me em teu corpo nu
banhar-me também em todos
teu segredos
teus medos
tuas vidas passadas
teu desejos
tuas noites
que se perderam
em acalantos
e luares inexplicados
em estrelas já mortas
em anos-luz infinitos

Banhar-me nesse mistério
que é tua feminilidade
teu nome pagão
tua voz rouca
e teu cheiro sempre novo
que me trazem sempre
para junto dos teus braços
para o meio dos teus seios
para o interior das tuas coxas
para a tua cama
e banhando-me no mistério
estou ciente de tudo
do que é ser.
Te ser.
Como nunca fui ninguém
e em dois ser um,
mistério do amor
carnal
vagabundo
desbocado
que construímos
comunhão de um todo
inexplicável, inexato,
que existe entre nós
(ah! se pudéssemos)

Ah! se pudesse banhar-me em ti
e se todo teu
e ser todo tu (ser-te)
ah! se eu ousasse
amar assim como falo (minto)
descaradamente
ah! quisera eu.


Seja o que for
"Onde queres o ato, eu sou o espírito e onde queres ternura, eu sou tesão. Onde queres o livre, decassílabo e onde buscas o anjo, sou mulher. Onde queres prazer, sou o que dói e onde queres tortura, mansidão. Onde queres um lar, revolução e onde queres bandido, sou herói" Caetano

O blog
Para Jéssica,
porque "o que obviamente não presta
sempre me interessou".

Arquivo
Outubro 2008; Novembro 2008; Dezembro 2008; Janeiro 2009; Fevereiro 2009; Março 2009; Abril 2009; Maio 2009; Junho 2009; Julho 2009; Agosto 2009; Setembro 2009; Outubro 2009; Novembro 2009; Dezembro 2009; Janeiro 2010; Fevereiro 2010; Março 2010; Abril 2010; Maio 2010; Junho 2010; Julho 2010; Agosto 2010; Setembro 2010; Outubro 2010; Dezembro 2010; Março 2011; Abril 2011; Maio 2011; Junho 2011; Julho 2011; Agosto 2011; Outubro 2011; Novembro 2011; Março 2012; Maio 2012; Agosto 2012; Outubro 2012; Dezembro 2012; Abril 2013; Maio 2013;

Soneto de Fidelidade

"De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure."