Poema sem título #1
sábado, 19 de novembro de 2011 | Opine aqui

porque não tenta esquecer
o quanto importante é
que tudo isso dê certo
que eu não te abandone
que não fique sozinha
porque não tenta esquecer
o quanto te esqueci
e nos esquecemos
e o quanto
fizemos questão disso
de nos apagar
e nos partir
e nos distânciar (da melhor forma)
da pior forma possível
sem mágoas,
sem erros,
sem volta
parecendo até para nós
que não foi nada
que foi um telefonema esquecido
no meio da noite
que foi o gosto ruim
na boca no próximo dia
que foi quem sabe a festa
a tal festa a qual culpamos
que foi a bebida
o porre
a ressaca,
que te esquecer foi mais erro disso tudo
do que meu
que me esquecer foi mais erro disso tudo
do que teu
porque não mentimos?
porque lutamos em deixar ir
deixar partir
deixar morrer
deixar.
esquecer.
porque lutamos já que tudo findou
e não há porques
e eu não te amo
e você não me ama
e ambos esquecemos
com tal naturalidade
que me assusta
que me deixa calado
em tua frente
fumando um último cigarro
antes de entrar
e discutir satre, bukowski, beatles, bob dylan
dizendo que eu acho todos gênios
e você
dizendo que acha todos uns viados imprestáveis
porque lutamos por isso?
porque lutamos por nos degradar
e nos odiar
e nos esquecer
e destruir qualquer resquício
de memória bela que exista
porque lutamos, porque lutamos
porque seguimos
porque partimos
posque voltamos
procuro as respostas que não existem
a estas tantas perguntas
sem ponto de interrogação que me atormentam dia após dias
como se fossem partes minhas
ou tuas
ou nossas
como se forre fundamental respondê-las
como se já nem importasse mais nada
como se a vida fosse mera consequência dessas respostas
desse amor mal resolvido
desse nós que luta
luta
luta em continuar
e não continua
como se.


Seja o que for
"Onde queres o ato, eu sou o espírito e onde queres ternura, eu sou tesão. Onde queres o livre, decassílabo e onde buscas o anjo, sou mulher. Onde queres prazer, sou o que dói e onde queres tortura, mansidão. Onde queres um lar, revolução e onde queres bandido, sou herói" Caetano

O blog
Para Jéssica,
porque "o que obviamente não presta
sempre me interessou".

Arquivo
Outubro 2008; Novembro 2008; Dezembro 2008; Janeiro 2009; Fevereiro 2009; Março 2009; Abril 2009; Maio 2009; Junho 2009; Julho 2009; Agosto 2009; Setembro 2009; Outubro 2009; Novembro 2009; Dezembro 2009; Janeiro 2010; Fevereiro 2010; Março 2010; Abril 2010; Maio 2010; Junho 2010; Julho 2010; Agosto 2010; Setembro 2010; Outubro 2010; Dezembro 2010; Março 2011; Abril 2011; Maio 2011; Junho 2011; Julho 2011; Agosto 2011; Outubro 2011; Novembro 2011; Março 2012; Maio 2012; Agosto 2012; Outubro 2012; Dezembro 2012; Abril 2013; Maio 2013;

Soneto de Fidelidade

"De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure."