Masculino, Feminino
quarta-feira, 28 de abril de 2010 | Opine aqui

"bela bela
mais que bela
mas como era o nome dela?
Não era Helena nem Vera
nem Nara nem Gabriela
nem Tereza nem Maria
Seu nome seu nome era... "

Ele corria porque havia a necessidade de correr, ela corri porque gostava da brisa em seus cabelos longos, do vento nos seus braços. Ela lia vezenquando por divertimento, ele fazia da leitura um ofício, uma arte, à qual amava tanto quanto ela amava correr.
Ela gostava de tudo, ele era cheio de mania. Ela amava, acima de tudo, a vida e não importavam desilusões amorosas ou chuvas ou ventos, ela amava a vida, ele se sentia infeliz com o que lhe havia sido dado. Ela gostava dos dias de sol, de chuva, dos cinzentos e dos dourados, ele só gostava dos dias neutros. Ele sabia que enxergar se escreve com x, ela sabia enxergar. Ele de tanto falar, calou, ela anunciava tudo aos quatro ventos. Ele lia Proust e Nietzsche, ela lia Caio fernando e se sentia muito bem, obrigado. Ele gostava de Dietrich, Autran, Mirren e Severo, ela só conhecia o Último Tango em Paris. Ela sabia todas as canções do rádio, ele só ouvia Stravinsky.
Ela amava ela, ele amava ela. Ele ia todos os dias à casa dela, ela esperava na porta, elegante e excitada. Ele entrava e fodia com ela, ela fazia amor com ele. Ele só ia em dias de semana, ela mantinha a porta aberta no sábado e no domingo. Ela saia para comprar cigarros, ele esperava ela sozinho. Ele a conhecei no bar, ela já o tinha visto na rua, mas nada disse. Ela queria uma casa, quarto, filhos, ele queria o sexo e nada mais.
Ele corria em direção ao prédio, ela corria em direção à ele. Ele abraçava ela com força e dizia guria, me ama, ela respondia eu já faço isso, bobo.
Ele sorria, ela sorria.
Eles eram um só.


Desculpas
quinta-feira, 22 de abril de 2010 | Opine aqui

"Te perdoo
Por fazeres mil perguntas
Que em vidas que andam juntas
Ninguém faz
Te perdôo
Por pedires perdão
Por me amares demais"

Eu repito sem ter realmente a intenção de repetir, me repetir. Me repito sem saber que o faço, me repito sem intenção. Desculpe se isso lhe faz sofrer, eu ficar dizendo dia após dia que eu te amo, que eu te quero, desculpe eu ficar mandando cartas de amor todos os dias. Desculpe lhe amar. O fato é que eu não desaprendi o teu amor e agora te amo dia e noite , descaradamente, todos os dias.
Desculpe ficar enchendo o saco com toda essa baboseira sentimental, sem sentido, desculpe me fazer de rebelde sem causa, por causa de ti. Desculpe não ser o homem que você sempre sonhou, desculpe não ser lindo, desculpe não ser rico, desculpe não ser famoso.
Peço desculpas por tudo que não sou, o que sou não há porque.
Desculpe também pelo egocentrismo, minha mania de ser sempre igual, enquanto você muda constantemente. Desculpe, do fundo do coração ter lhe feito partir, desculpe as brigas, desculpe o coração partido. Desculpe os batimentos acelerados, o beijo, o sexo, o estresse. Desculpe ter lhe deixado sem graça, desculpe não ter sabido lhe amar, desculpe ser eu.
Me desculpe por tudo.
Desculpe eu lhe amar (tão alto).



Inconsciência
segunda-feira, 5 de abril de 2010 | Opine aqui

"Mas ficou tudo fora do lugar:
café sem açúcar, dança sem par"

A nossa relação acabou assim: "Prenez soin de vous". Era o fim. Ela que disse.
Não me queria mais, não me aguentava, queria fugir, queria algo novo, enquanto eu nada queria, eu não sabia - e não sei - escolher, fazer decisões, o que os médicos chamam de abulia, a incapacidade de decidir, de cuidar de si.
E como pode estar tudo acabado se eu te amo tanto que tenho até inconsciência de mim mesmo.
Fico inconseqüente ao lhe amar, por te querer assim, mas vá para ele, pro outro lado, esqueça de mim, eu saberei esquecer de ti. Mas se e quando, um dia, me procurar, pode não estarei mais lá para ti, que eu serei outro, diferente até de mim mesmo.
Sem citações, com consciência.
Espero que esse inconsciência de mim mesmo se torne passado, que este amor se torne passado, como as águas de um rio, que corre sem deixar rastros, mágoas. Espero que tudo isso se tone nada, nem ferida aberta seja, que seja nada. Mesmo.
Porque amar é difícil na nossa teoria, imagina de praticássemos.


Seja o que for
"Onde queres o ato, eu sou o espírito e onde queres ternura, eu sou tesão. Onde queres o livre, decassílabo e onde buscas o anjo, sou mulher. Onde queres prazer, sou o que dói e onde queres tortura, mansidão. Onde queres um lar, revolução e onde queres bandido, sou herói" Caetano

O blog
Para Jéssica,
porque "o que obviamente não presta
sempre me interessou".

Arquivo
Outubro 2008; Novembro 2008; Dezembro 2008; Janeiro 2009; Fevereiro 2009; Março 2009; Abril 2009; Maio 2009; Junho 2009; Julho 2009; Agosto 2009; Setembro 2009; Outubro 2009; Novembro 2009; Dezembro 2009; Janeiro 2010; Fevereiro 2010; Março 2010; Abril 2010; Maio 2010; Junho 2010; Julho 2010; Agosto 2010; Setembro 2010; Outubro 2010; Dezembro 2010; Março 2011; Abril 2011; Maio 2011; Junho 2011; Julho 2011; Agosto 2011; Outubro 2011; Novembro 2011; Março 2012; Maio 2012; Agosto 2012; Outubro 2012; Dezembro 2012; Abril 2013; Maio 2013;

Soneto de Fidelidade

"De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure."