Qualquer coisa
domingo, 28 de abril de 2013 | Opine aqui


"Esse papo já tá qualquer coisa, 
você já tá pra lá de Marrakesh."
Caetano Veloso

noite
céu azul-marinho
no chão da grande
cidade grande
uma mancha cor de sangue
bordô
como qualquer vinho barato
que nós tenhamos provado
tempos atrás
e na mancha
um grito perdido
um grito ao longe
que parece pedir ajuda(?)
não sei
um grito que reflete
a mancha que reflete a lua
que ainda vai varar a madrugada
que eu bêbado esquecerei
ou condensarei
num momento vazio
ao lado de tudo
na casa grande
nas pessoas difusas
nas drogas várias
no som tão alto
um momento que não represente
nada
além de uma noite qualquer
entre junho e agosto
quando é mais frio
e a gente neva por dentro
e para na rua
para ver manchas de sangue
e grito longínquos
e para misturar a estas manchas
vômito e mijo
(um pouco do nosso caos interior)
um pouco de tudo
para diluir
e entre vômito
mijo
e sangue
fazê-las parecerem conosco
tão repulsivas
por serem tão cheias de
hu-ma-ni-da-de


Seja o que for
"Onde queres o ato, eu sou o espírito e onde queres ternura, eu sou tesão. Onde queres o livre, decassílabo e onde buscas o anjo, sou mulher. Onde queres prazer, sou o que dói e onde queres tortura, mansidão. Onde queres um lar, revolução e onde queres bandido, sou herói" Caetano

O blog
Para Jéssica,
porque "o que obviamente não presta
sempre me interessou".

Arquivo
Outubro 2008; Novembro 2008; Dezembro 2008; Janeiro 2009; Fevereiro 2009; Março 2009; Abril 2009; Maio 2009; Junho 2009; Julho 2009; Agosto 2009; Setembro 2009; Outubro 2009; Novembro 2009; Dezembro 2009; Janeiro 2010; Fevereiro 2010; Março 2010; Abril 2010; Maio 2010; Junho 2010; Julho 2010; Agosto 2010; Setembro 2010; Outubro 2010; Dezembro 2010; Março 2011; Abril 2011; Maio 2011; Junho 2011; Julho 2011; Agosto 2011; Outubro 2011; Novembro 2011; Março 2012; Maio 2012; Agosto 2012; Outubro 2012; Dezembro 2012; Abril 2013; Maio 2013;

Soneto de Fidelidade

"De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure."