Mistic river
sexta-feira, 18 de setembro de 2009 | Opine aqui
O rio está congelando, eu corro ao seu encontro, coloco meus pés na água gelada, a água bate em meus pés. Diante do rio correndo me sinto como poeira. Tremos de frio, minhas mãos tremem, um último sorriso vem ao meu rosto, vejo uma luz ao longe, o que parece ser minha salvação. Agora que vejo um rosto na minha frente, só o percebi agora, que anda lado-a-lado comigo, um rosto deconhecido que me guia, agora que já não consgio andar direito. o rio bate em meus ombros, a roupa pesa. Meu coração bate depressa demais, vejo-me submergir nas águas frias do rio. Vejo o olhar dos desconhecido ao meu lado, as coisas que ocorreram até aquele momento me fizeram e o fizeram estar ali. Não estou só. Paro um momento e vejo tudo que já percorri, parece muito, uma trajetória de vida, da minha vida. Olho para fente e sinto a água bater no meu queixo. Prossigo, o desconhecido vai comigo. Submergi. Minha última nesga de esperança é minha mão, trêmula, submergente da águas, uma mão suicida. Mas não ajuda, não há ninguém por perto, estou morrendo só, como estive em vida, e, sinceramente, a morte é uma boa companheira.


Seja o que for
"Onde queres o ato, eu sou o espírito e onde queres ternura, eu sou tesão. Onde queres o livre, decassílabo e onde buscas o anjo, sou mulher. Onde queres prazer, sou o que dói e onde queres tortura, mansidão. Onde queres um lar, revolução e onde queres bandido, sou herói" Caetano

O blog
Para Jéssica,
porque "o que obviamente não presta
sempre me interessou".

Arquivo
Outubro 2008; Novembro 2008; Dezembro 2008; Janeiro 2009; Fevereiro 2009; Março 2009; Abril 2009; Maio 2009; Junho 2009; Julho 2009; Agosto 2009; Setembro 2009; Outubro 2009; Novembro 2009; Dezembro 2009; Janeiro 2010; Fevereiro 2010; Março 2010; Abril 2010; Maio 2010; Junho 2010; Julho 2010; Agosto 2010; Setembro 2010; Outubro 2010; Dezembro 2010; Março 2011; Abril 2011; Maio 2011; Junho 2011; Julho 2011; Agosto 2011; Outubro 2011; Novembro 2011; Março 2012; Maio 2012; Agosto 2012; Outubro 2012; Dezembro 2012; Abril 2013; Maio 2013;

Soneto de Fidelidade

"De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure."