Corpo escrito
terça-feira, 11 de agosto de 2009 | Opine aqui
Meus livros são escvritos soltos, assim como aquelas folhas que caem das árvores. Já escrevi vários deles, mas não tenho nenhum publicado, até pelo modo inconvencional que são escritos.
Eu escrevo nos corpos das putas, nos guardanapos de bares, no gesso da perna do meu filho, no ventre grávido de minha esposa, em qualquer coisa que eu ache por aí.
Meus best-sellers são escritos em folhas secas de mangueiras.
Minha angústia é trancrita nas abas das páginas do jornal, minha traição no corpo da amante, meu carinho ao redor do machucado do meu filho ou na gravidez de minha esposa, meu passar do tempo no verso de fotografias, a minha filosifa se perdeu no verso dos livros, mas cores das telas de pintura.
Eu escrevo em tudo, Vejo um mundo cheio de histórias e cada pessoa é uma parte da narração.
Tenho as mãos cansadas de tanto escrever e minha esposa o ventre machucado, minha amante, as pernas e as putas, os seios.
Tenho um baú cheio de escritos em fotografias e fotografias de escritos. Tenho meu best-seller quase pronto no corpo das minhas alunas espalhadas por aí.
Tenho a vida tatuada com palavras vãs.

Marcadores: , ,



Seja o que for
"Onde queres o ato, eu sou o espírito e onde queres ternura, eu sou tesão. Onde queres o livre, decassílabo e onde buscas o anjo, sou mulher. Onde queres prazer, sou o que dói e onde queres tortura, mansidão. Onde queres um lar, revolução e onde queres bandido, sou herói" Caetano

O blog
Para Jéssica,
porque "o que obviamente não presta
sempre me interessou".

Arquivo
Outubro 2008; Novembro 2008; Dezembro 2008; Janeiro 2009; Fevereiro 2009; Março 2009; Abril 2009; Maio 2009; Junho 2009; Julho 2009; Agosto 2009; Setembro 2009; Outubro 2009; Novembro 2009; Dezembro 2009; Janeiro 2010; Fevereiro 2010; Março 2010; Abril 2010; Maio 2010; Junho 2010; Julho 2010; Agosto 2010; Setembro 2010; Outubro 2010; Dezembro 2010; Março 2011; Abril 2011; Maio 2011; Junho 2011; Julho 2011; Agosto 2011; Outubro 2011; Novembro 2011; Março 2012; Maio 2012; Agosto 2012; Outubro 2012; Dezembro 2012; Abril 2013; Maio 2013;

Soneto de Fidelidade

"De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure."